Bem vindo

ao site do Marcus Biancardini

Nas mãos de Marcus Biancardini, a viola passeia pelo mundo, revivendo melodias inesquecíveis, manifestações universais da arte de povos e países conhecidos, admirados. Marcus Biancardini demonstra que, na viola, há uma “grande orquestra”, extraindo dela os sons da Harpa de Concerto, da Harpa Paraguaia,da Guitarra Portuguesa, do Cravo, da Balalaica, do Bandolim, da Calimba, da caixinha de música e até do canto da seriema.

Discografia

Conheça a música de Marcus Biancardini

VioladeGravata1VioladeGravata
ViolaDeNatalViolaDeNatal2

Viola de Gravata Vol I e II

Viola de Natal

Neste disco Marcus Biancardini reune grandes sucessos com uma interpretação inédita na viola, além de músicas de sua própria autoria.

Valor: RS 40,00

Você recordará as músicas natalinas de uma forma nunca ouvida anteriormente, neste disco Marcus Biancardini faz uma interpretação das maiores músicas natalinas.

Valor: RS 40,00


Viola De Gravata

É um espetáculo que mostra o maravilhoso potencial da viola e sua fantástica versatilidade, apresentando estilos musicais diversificados, executados por um dos maiores violeiros da atualidade.

De uma beleza inigualável, surpreendente e emocionante, “Viola de Gravata” é o show das emoções.
Nas mãos de Marcus Biancardini, a viola mágica passeia pelo mundo, revivendo melodias inesquecíveis, manifestações universais da arte de povos e países conhecidos, admirados. Marcus Biancardini demonstra que, na viola, há uma “grande orquestra”, extraindo dela os sons da Harpa de Concerto, da Harpa Paraguaia,da Guitarra Portuguesa, do Cravo, da Balalaica, do Bandolim, da Calimba, da caixinha de música e até do canto da seriema.
Trilhando os sons eternos dos interiores do Brasil, Marcus revive, com emoção e sentimento, obras da grande mestra Chiquinha Gonzaga, os Clássicos Sertanejos: Luar do Sertão, Casinha Pequenina, Tristeza do Jeca, Menino da Porteira, Chalana, entre outros. Do mundo da Música Popular Brasileira, Biancardini arranca sons inesperados, surpreendentes, da arte de Chico Buarque, Roberto Carlos, Raul Seixas, Tom Jobim, Vinícius de Morais e de tantos outros. E sai pelo Planeta Musical, reencontrando e revivendo, com um toque que lembra estrada de terra, casinha de sapé, fogão de lenha e bolo de milho e, mostrando-se eclético, navega em outros universos, interpretando Julio Iglesias, Elvis Presley, Beatles, Michael Jackson, Beethoven,Mozart,Bach... Nesta viagem de sonhos e lembranças, Biancardini mergulha também, na sua parte autoral, com melodias, técnicas e interpretações refinadas.
Sem distinção de cultura ou faixa etária, todos se unem e o aplaudem. É um prazer ouvir Marcus Biancardini!


Marcus Biancardini

Uma verdadeira história de amor e dedicação entre viola e violeiro!

Marcus Biancardini nasceu no dia 25/10/1978 em Goiânia, filho do professor e físico Maurício Biancardini e da fonoaudióloga Elizabeth Reis Esselin. Seus primeiros contatos com a viola surgiram nas fazendas da família no interior de Goiás, onde seu pai levava violeiros para tocar em festas familiares. Nesta época, Biancardini tinha pouco mais de sete anos de idade. A partir dali, a sua alma de violeiro começava a seaflorar e, pouco mais tarde, por volta dos seus 15 anos, manifestou o desejo de aprender aquele instrumento que escutara durante toda a sua infância. Foi aí que ganhou sua primeira viola. Começava, então, seus estudos incansáveis das obras dos grandes violeiros da época, Renato Andrade, Tião Carreiro, Nestor, Moreno, Julião, Vanuque, Velosinho,Bambico, entre outros. Com o passar do tempo, foi mergulhando também em busca de conhecimentos em outros universos musicais, como dos grandes violonistas Andrés Segovia,Sabicas,Paco de Lucia, do citarrista indiano Ravi Shankar e dos grandes harpistas Luis Bordon e Nicanor Zabaleta entre outros. Obstinado e perfeccionista, passava dias e noites ouvindo estes trabalhos até adquirir uma técnica de bem executar e interpretar as melodias em sua viola. Mais tarde, formou-se em Administração de Empresas, mas a faculdade não o atraia, e ao se formar, disse aos pais: tomem o diploma, e devolvam minha viola! Firma sua individualidade, mergulha no mundo da música e surge o compositor. Era como um peixe no seu verdadeiro habitat.


Herdeiro de Renato Andrade

Renato Andrade foi um violeiro virtuoso e divisor de águas!

Responsável pela evolução técnica do instrumento e também por sua entrada nas grandes salas de Concertos do Brasil e do exterior mostrou para o mundo outra forma de ver a viola, com uma técnica rara, sem perder a essência do sertão. A viola, até então, era conhecida somente como um instrumento de acompanhamento das duplas da nossa música caipira.
Biancardini, ao escutar as obras de Renato Andrade, percebeu a riqueza e as infinitas possibilidades que o instrumento oferecia. Iniciou-se aí, uma forma inusitada de aprender, onde a sala de aula era uma velha radiola e o professor, os LPs, que rodavam por horas e horas, ensinando através do som o aluno que sonhava, um dia, conhecer o mestre que lhe inspirava nos discos. Chegado o dia do grande encontro, Marcus se encheu de coragem, empunhou a viola e com os dedos de aprendiz ousou tocar uma música que havia aprendido nas audições dos LPs. Neste mesmo dia, Renato o reconhece como o seu sucessor, nascendo dali, uma bela história entre mestre e aluno.
Filhos e netos de Renato Andrade doaram a viola que acompanhou o músico durante toda sua trajetória a Marcus Biancardini, numa comovente cerimônia.
Hoje, Biancardini dá continuidade na arte de pontear a nossa tão querida viola!


Destaques

Biancardini já se apresentou em alguns dos mais importantes programas da televisão brasileira, tais como; Jô Soares, Maria Beltrão e Chico Pinheiro (Globo News), Amaury Jr, Hamilton Carneiro, Olga Bongiovani e mostrando que sua viola não tem fronteiras participou de uma ousada perfomance com a bailarina Ana Botafogo num projeto chamado "A Dama e o Violeiro", onde a bailarina fez sua coreografia ao som da viola. Apresentou-se como solista da Orquestra Sinfônica de Goiânia e da Orquestra de Câmara regida pelos grandes maestros Joaquim Jayme e Eliseu Ferreira consecutivamente.
Por divulgar a viola em quase todo o mundo, recebeu das mãos do governador do Estado de Goiás, o Diploma de Destaque Cultural de 2013, o Troféu Buritis das mãos do presidente do conselho municipal de cultura.